Bruna Singh, graduada em Direito e pós-graduada em Direito Administrativo pelo UNICURITIBA em 2016 e 2018, respectivamente, direcionou sua carreira para a área acadêmica ainda na graduação, quando participou de grupos de pesquisa e desenvolveu diferentes habilidades técnicas. E essa bagagem de experiências tem levado a jovem longe, literalmente. Prova disso é que Bruna cursou mestrado em Direitos Humanos e Política Internacional na Universidade de Glasgow, na Escócia, completado no final de 2018, com mérito acadêmico.

Essa história iniciou em agosto 2017, quando ela foi selecionada para a bolsa de estudo para mestrado concedida pelo governo britânico, o Chevening. “O programa cobre a anuidade do curso, as passagens aéreas, custo com o visto e também fornece um auxílio em dinheiro, para viver na cidade escolhida. O processo de seleção, que dura em torno de um ano, exige a comprovação de experiência profissional, bem como demonstrar liderança e capacidade de networking”, explica.

Em 2017, apenas 3% dos aplicantes foram selecionados para o Chevening. “Fiquei muito feliz quando soube que fui aprovada para fazer o mestrado”, lembra. Ela diz que a formação foi determinante. “Recebi um suporte imenso da Instituição e de professores da casa. Através do incentivo do corpo docente do UNICURITIBA pude alcançar sonhos que pareciam impossíveis. Tenho apoio para projetos pessoais e profissionais. É uma relação de respeito e orgulho”, destaca.

Como tudo começou
Em 2012 ela começou a participar de grupos de pesquisa no UNICURITIBA. “O primeiro que participei tinha a temática de “Livre Iniciativa e Direitos Fundamentais”. Como resultado das pesquisas, publicamos o livro “Consumo e Consumismo - Uma Análise Crítica”. Foi assim que nasceu a paixão pela pesquisa”, conta.

No início de 2013, Bruna iniciou sua participação no grupo de pesquisa em Sistema Interamericano de Direitos Humanos. Neste mesmo ano, ela foi selecionada para participar da Competição Nacional sobre o Sistema Interamericano de Direitos Humanos e também da fase internacional da competição, a Inter-American Moot Court Competition, em Washington, EUA.

Junto com o grupo, esteve em diversas conferências acadêmicas para apresentar artigos. Ainda durante a graduação, em 2015, fez parte da organização da I Semana de Direitos Humanos. “As competições e os eventos acadêmicos foram essenciais. Além da experiência internacional, com o conhecimento trocado com mestres e doutores de diversos países, pude realizar muito networking, que foi muito importante para meu crescimento profissional”, aponta.

Para o futuro
Bruna conta que voltou há poucos meses para o Brasil. “Por isso os meus projetos ainda estão na fase inicial. Mas pretendo, sim, dar aula e fazer um doutorado”, afirma. Como novidade, ela conta que ministrará um curso de extensão, inspirado nas aulas de mestrado da Universidade de Glasgow. O curso em Direito Internacional dos Direitos Humanos está previsto para agosto de 2019, no UNICURITIBA. A capacitação tem como objetivo discutir e simular temas atuais de forma multidisciplinar.