Violência urbana, corrupção, aparelhamento do crime organizado, narcotráfico e escalada dos índices de criminalidade na sociedade atual: explicar o fenômeno criminológico não é tarefa fácil e consome um esforço cada vez maior de pesquisadores e profissionais da área.

Para discutir os novos desafios das ciências criminais e sua interface com outras áreas do conhecimento, como a sociologia e o jornalismo, o curso de Criminologia do UNICURITIBA promove nos dias 27 e 28 de outubro, das 8h30 às 22h, o 7º Congresso Internacional de Ciências Criminais.

Com palestras online e apresentações de trabalhos transmitidas via Sympla Streaming, o evento será gratuito e as inscrições podem ser feitas em https://www.sympla.com.br/vii-congresso-de-ciencias-criminais__1000815.

Reconhecido por reunir especialistas de renome nacional e internacional para discutir diferentes vertentes das ciências criminais, o congresso abordará nesta edição temas que envolvem o direito penal, processo penal, criminologia, criminalística, ciência forense, perícia, investigação, entre outras questões.

“Teremos a honra de, mais uma vez, promover importantes debates, contemplando neste ano todas as áreas das ciências criminais e reunindo estudiosos e profissionais do Brasil e do exterior”, diz o coordenador do curso de Criminologia do UNICURITIBA, Marco Aurélio Nunes da Silveira, responsável pelo evento.

Com 70 anos de história, o UNICURITIBA faz parte da Ânima Educação – uma das principais organizações educacionais particulares de ensino superior do Brasil – e é a primeira instituição do país a oferecer o bacharelado em criminologia. “A formação nesta área já é consolidada no exterior, mas somos os únicos a oferecer o curso superior no Brasil”, lembra o professor.

Adolescentes e narcotráfico

A abertura do 7º Congresso Internacional de Ciências Criminais, no dia 27/10, às 8h30, vai tratar do tema “Crítica criminológica da justiça penal no Brasil e América Latina”, com a participação de Máximo Sozzo, da Universidad Nacional del Litoral, da Argentina; Silvia Moretzsohn (UFRJ) e Mariel Muraro (UNICURITIBA).

Na sequência, às 10h30, a discussão será sobre “Adolescentes, narcotráfico e criminalização: desafios e perspectivas da política criminal”. Os convidados são Thiago Rodrigues (UFF/RJ), Mariana Chies Santiago Santos (USP) e Karla Pinhel Ribeiro (UNICURITIBA).

O evento continua à noite, às 19h, quando o juiz de garantias Eduardo Gallardo, do Chile, se une a Janaína Matida (Universidade Alberto Hurtado/Chile) e Michelle Cabrera (UNICURITIBA) para falar sobre “Juiz de garantias: controle sobre a qualidade da etapa investigativa”.

De acordo com o professor Marco Aurélio Silveira, o Chile tem hoje um dos melhores sistemas de processo penal da América Latina e o juiz Gallardo falará sobre as práticas adotadas no país. Às 20h40 haverá uma sessão de apresentação de trabalhos.

Genética forense

Na quarta-feira (28/10), Maria Bartira Muniz de Oliveira (Universidade São Judas/SP) e Marco Aurélio Nunes da Silveira (UNICURITIBA) debatem “O futuro do ensino das ciências criminais” às 8h30.

A segunda palestra do dia, às 10h30, fica por conta da investigadora do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e Docente do Mestrado de Criminologia do ISMAI/Portugal, Susana Costa e Hemerson Bertassoni Alves (UNICURITIBA). Eles falam sobre “A utilização da genética forense na elucidação de crimes: limites e possibilidades”.

Com o tema “Revisitando a segurança pública no Brasil: horizontes para o século 21”, Katie Silene Cáceres Arguello (UFPR), Rodrigo Fernandes (UFF/RJ) e Marcos Roberto de Souza Peres (UNICURITIBA) encerram as palestras do congresso, a partir das 19h. Às 20h40 ocorre nova sessão de apresentação de trabalhos.

Serviço

Sobre a Ânima Educação

Com o propósito de 'Transformar o Brasil pela Educação', a Ânima é uma das principais organizações educacionais particulares de ensino superior do País e conta com aproximadamente 145 mil alunos em nove instituições: Universidade São Judas Tadeu (SP), Una (MG e GO), UniBH (MG), Faseh (MG), UniSociesc (SC), AGES (BA e SE), UniFG (BA), UNICURITIBA (PR), além de atuar na Unisul (SC) em parceria de cogestão. Também fazem parte do Ecossistema Ânima a Escola Brasileira de Direito (EBRADI), a HSM, a HSM University, a SingularityUBrazil, a Inspirali, e a escola internacional de gastronomia Le Cordon Bleu, em São Paulo, além do Instituto Ânima.

A Ânima foi eleita nos últimos cinco anos uma das 100 Melhores Empresas para Trabalhar. Além disso, foi destaque, em 2020, como uma das 5 Empresas mais Inovadoras do País, na categoria Serviço, de acordo com o Anuário de Inovação do Valor Econômico, e conquistou em 2019 o prêmio Mulheres na Liderança, na categoria Educação, iniciativa da ONG Women in Leadership in Latin America (WILL). Ainda em 2019, a companhia foi destaque no Anuário Época NEGÓCIOS 360°, como uma das melhores empresas, na área da Educação, do Brasil.